terça-feira, 28 de outubro de 2008

Florida, Virgínia, Colorado

Estes parecem-me ser os três Estados mais importantes nesta eleição presidencial. Todos eles foram ganhos por Bush em 2000 e 2004, e é praticamente impossível que McCain chegue à Casa Branca sem repetir a façanha.

A Florida (27 Votos Eleitorais) é o Estado sulista mais ecléctico, onde os Democratas têm uma base de apoio forte, sobretudo na região de Palm Beach (no Sudeste do Estado). Os eleitores mais idosos e os hispânicos de origem cubana são usualmente fiéis aos Republicanos, mas a presença de Biden no ticket Democrata pode alterar o sentido de voto dos primeiros. A Florida foi ganha pelos Republicanos em 6 das últimas 7 eleições; uma derrota de McCain neste importante Estado (o quarto maior dos EUA) torna absolutamente inviável uma vitória geral na eleição. Média das sondagens recentes: Obama lidera por 2,7%.

A Virgínia (13 Votos Eleitorais) é um bastião Republicano; o último Democrata a vencer o Estado foi Lyndon Johnson em 1964. Porém, o crescimento exponencial dos subúrbios de Washington (D.C.) trouxe novos residentes para o norte da Virgínia, com preferências eleitorais fortemente Democratas. Este facto, aliado à existência de uma grande comunidade afro-americana, torna a Virgínia propensa a um triunfo de Obama. Ora, neste caso, os Democratas nem precisariam de olhar para outros tradicionais “campos de batalha”: bastar-lhes-ia vencer os mesmos Estados que em 2004 (252 VE) e juntar o Iowa (7 VE) ou o Novo México (5 VE) à contabilidade final, para ultrapassar os necessários 270 Votos Eleitorais. Média das sondagens recentes: Obama lidera por 7,3%.

O Colorado (9 VE) está praticamente na mesma categoria que a Virgínia. Tendencialmente Republicano (desde 1964 só votou Democrata em 1992), parece ser um território favorável a Obama, devido ao crescimento de Denver, cuja área metropolitana – socialmente progressista – agrega metade da população total do Estado. Além do mais, os habitantes do Colorado valorizam especialmente a protecção ambiental (um trunfo de Obama) e viram com agrado a escolha da sua capital para sede da Convenção Nacional Democrata deste ano. Mesmo que perca na Virgínia e em todos os outros Estados equilibrados no Leste, uma vitória de Obama no Colorado – acompanhada da “coligação Kerry” e dos já referidos Iowa e Novo México (quase garantidos por Obama) – equivale a um triunfo Democrata na eleição geral. Média das sondagens recentes: Obama lidera por 6,2%.

4 comentários:

Leonel Vicente disse...

Calculo que, perdendo na Virgínia e no Colorado, McCain não terá hipóteses matemáticas de vencer.

José Gomes André disse...

Caro Leonel, obrigado pelo comentário. Hipóteses matemáticas há sempre, mas uma análise do comportamento político dos Estados leva de facto à sua conclusão. Vencendo na Virgínia e Colorado, Obama só perderia a eleição se McCain vencesse num "Estado azul" (ganho por Kerry em 2004) que valesse pelo menos 5 VE.

Ora as melhores opções, segundo as sondagens actuais, seriam a Pensilvânia e o Wisconsin. O problema é que em ambos Obama lidera na média de sondagens por 10,6%! Portanto, só com um terramoto eleitoral é que Obama venceria a Virgínia e o Colorado e perderia a eleição. Cumprimentos!

Carlos Santos disse...

Caro Leonel e caro JGA,

Com todos os estados Kerry seguros (na PA Obama vence e sobretudo vence onde tem de vencer, subúrbios de Philly, subúrbios de Pittsburgh, nordeste), mais o Iowa bastaria a Virginia para Obama ser eleito. Mas penso que seguramente ele somará mais. Em todo o caso, o que tenho obtido como tipping point é a Virginia.

Abraço,
Carlos

José Gomes André disse...

Susbcrevo, caro Carlos. A Virgínia é neste momento o "tipping-point state", a menos que ocorra um milagre eleitoral. A questão central é que Obama tem neste momento muitos "tipping-points States"...